São 23:29 e acabei de sair de casa. Estava preparado para me ir deitar, afinal de contas é dia de semana e amanhã tenho consulta no dentista antes de pegar ao trabalho.

Mas o telefone tocou. Está na hora - disse o rapaz do outro lado com a voz envolta em antecipação nervosa. Venham cá ter e tragam os meus pais - arrematou pedindo urgência e calma ao mesmo tempo.

O relógio bate as 23:48 e recebo uma mensagem a dizer que já começou. A minha sobrinha vem a caminho.

Troca de roupa, bebe café, sai de casa com destino à maternidade. Pelo caminho apanhamos os ansiosos avós que já só pensam em fraldas e brinquedos. As inevitáveis conversas do "no meu tempo" ajudam a não adormecer.

São 19 minutos do novo dia. Chegámos á maternidade. Começa a espera.

Estranhamente a maternidade está vazia, pelo menos a sala de esperas da urgência. Apenas nós e um futuro pai que rapidamente sai mais a futura mãe ao receberem a notícia que ainda não é hoje.

Na máquina há água, mas é do Vimeiro. Enfim, quando não há escolha tudo serve.

O tempo custa a passar, não há muito para entreter. As conversas começam a esmorecer. Pego na máquina, vou tentar passar o tempo a tentar fotografar a sala. Adoro estes ambientes bucólicos. Tenho dificuldades em focar, se alguém perguntar vou dizer que é do cansaço.

Esperamos mais um pouco. Não há notícias.

Finalmente uma sms. Já nasceu. Mais nada. Primeiro a alegria, depois a preocupação. Estão as duas bem? Não há resposta.

Cai o silêncio na sala. Ninguém quer admitir preocupação, mas está escrito na cara de cada um. Uns intermináveis 37 minutos depois chega o "sim" que esperávamos. No grande esquema das coisas, a nossa espera foi insignificante, umas míseras 2 horas, mas que pareceram 2 meses.

Pouco passa das 2 da manhã quando recebemos a visita do pai, cansado, babado, com aquele ar de quem não sabe bem o que fazer a seguir. Conversa, risos piadas, preocupações. Queremos ver a criança e a mãe, mas vamos ter de esperar um dia para o conseguir.

Aos 31 minutos de dia 31 de Janeiro o mundo viu nascer Miriam (Joana) Matias. Benvinda Miriam. Sê feliz. O tio já te ensina qual é o barulho que um barco faz no rio.

Parabéns Lenka e Tiago. As melhores felicidades. Agora divirtam-se com as fraldas.


Copyright © Rui Pedro Esteves 2017 Direitos Reservados

Sem comentários: