A minha memória mais antiga do Café Central em Ponte da Barca é de lá estar, em Agosto como habitual, uns dias antes das festas de São Bartolomeu e assistir às noticias do incêndio do Chiado.

Tinha uns inocentes 7 anos na altura. Não percebi a magnitude do que estava a assistir. Foram precisos uns anos para perceber. Lembro-me que o meu pai estava boquiaberto, coisa que não era habitual.

Naquela altura o café tinha mesas junto à parede esquerda, e parede direita, com uma fileira no centro. Espelhos com esquadria em madeira escura nas paredes. A mesma madeira que adornava os pilares da entrada.

O café era escuro. Lembro-me que era difícil de "ler" os livros do Mandrake, do Fantasma e do Batman que tinha pedido emprestados à minha madrinha, tal como os do Tio Patinhas comprados pelos meus pais. Enquanto matava o bicho com uma torrada e um galão claro e morno, muitos dos que por ali passavam me perguntavam se eu era filho do Zé do Tóino dos Pinheiros. Não me lembro porquê, mas isso incomodava-me.

Passaram 30 anos desde esse dia. 

O café continua escuro. Faz 25 anos que não leio um livro do Mandrake, do Fantasma ou to Tio Patinhas. Já do Batman não digo o mesmo. Hoje tinha comigo uma revista, tentei ler, mas continua difícil de o fazer no interior do Café Central. As madeiras, essas continuam lá, escuras, aparentemente imunes à passagem to tempo. As mesas ainda estão encostadas às paredes e com uma fileira no meio.

Já ninguém me pergunta se sou filho do Zé do Tóino dos Pinheiros. Tenho saudades disso.

Partilho, pela primeira vez, um prego e uma taça de branco com o meu pai no Café Central de Ponte da Barca. Hoje não foram grelhados pelo Júlio, não é por isso que não estavam deliciosos. O meu pai não queria, hoje come pouco, mas fez questão de comer e beber comigo. Ele não admite, eu não pergunto. A vida é feita de pequenos pormenores.

Taça de branco e um prego no Café Central de Ponte da Barca. Uma memória, um petisco, um pequeno prazer.











Copyright © Rui Pedro Esteves 2018 Direitos Reservados

Sem comentários: